HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO BRASIL


PERÍODO POMBALINO

(1760 - 1808)


Texto Cronologia



 


(Texto)



      Com a expulsão saíram do Brasil 124 jesuítas da Bahia, 53 de Pernambuco, 199 do Rio de Janeiro e 133 do Pará. Com eles levaram também a organização monolítica baseada no Ratio Studiorum.
      Pouca coisa restou de prática educativa no Brasil. Continuaram a funcionar o Seminário episcospal, no Pará, e os Seminários de São José e São Pedro, que não se encontravam sob a jurisdição jesuítica; a Escola de Artes e Edificações Militares, na Bahia; e a Escola de Artilharia, no Rio de Janeiro.
      Os jesuítas foram expulsos das colônias por Sebastião José de Carvalho e Melo, o Marquês de Pombal, primeiro-ministro de Portugal de 1750 a 1777, em função de radicais diferenças de objetivos. Enquanto os jesuítas preocupavam-se com o proselitismo e o noviciado, Pombal pensava em reerguer Portugal da decadência que se encontrava diante de outras potências européias da época. A educação jesuítica não convinha aos interesses comerciais emanados por Pombal. Ou seja, se as escolas da Companhia de Jesus tinham por objetivo servir aos interesses da fé, Pombal pensou em organizar a escola para servir aos interesses do Estado.


Marquês de Pombal


      Através do alvará de 28 de junho de 1759, ao mesmo tempo em que suprimia as escolas jesuíticas de Portugal e de todas as colônias, Pombal criava as aulas régias de Latim, Grego e Retórica. Criou também a Diretoria de Estudos que só passou a funcionar após o afastamento de Pombal. Cada aula régia era autônoma e isolada, com professor único e uma não se articulava com as outras.
      Portugal logo percebeu que a educação no Brasil estava estagnada e era preciso oferecer uma solução. Para isso instituiu o "subsídio literário" para manutenção dos ensinos primário e médio. Criado em 1772 era uma taxação, ou um imposto, que incidia sobre a carne verde, o vinho, o vinagre e a aguardente. Além de exíguo, nunca foi cobrado com regularidade e os professores ficavam longos períodos sem receber vencimentos a espera de uma solução vinda de Portugal.
      Os professores eram geralmente mal preparados para a função, já que eram improvisados e mal pagos. Eram nomeados por indicação ou sob concordância de bispos e se tornavam "proprietários" vitalícios de suas aulas régias.
      De todo esse período de "trevas" sobressaíram-se a criação, no Rio de Janeiro, de um curso de estudos literários e teológicos, em julho de 1776, e do Seminário de Olinda, em 1798, por Dom Azeredo Coutinho, governador interino e bispo de Pernambuco. O Seminário de Olinda "tinha uma estrutura escolar propriamente dita, em que as matérias apresentavam uma sequência lógica, os cursos tinham uma duração determinada e os estudantes eram reunidos em classe e trabalhavam de acordo com um plano de ensino previamente estabelecido" (Piletti, 1996: 37).
      O resultado da decisão de Pombal foi que, no princípio do século XIX (anos 1800...), a educação brasileira estava reduzida a praticamente nada. O sistema jesuítico foi desmantelado e nada que pudesse chegar próximo deles foi organizado para dar continuidade a um trabalho de educação.
      Esta situação somente sofreu uma mudança com a chegada da família real ao Brasil em 1808.


TOPO


(Cronologia)


ANO HISTÓRIA
DA EDUCAÇÃO
BRASILEIRA
HISTÓRIA
DO
BRASIL
HISTÓRIA
GERAL
DA EDUCAÇÃO
HISTÓRIA
DO
MUNDO
1760 · Entre março e abril, 119 jesuítas saem do Rio de Janeiro, 117 da Bahia,e 119 de Recife.   · Em Portugal, Marquês de Pombal implementa uma educação que priorize a educação do indivíduo em consonância com o estado.
· São criados em Portugal os cargos de mestres em Literatura Latina, Retórica, Gramática Grega e Língua Hebraica.
 
1761     · É criado em Portugal o Colégio dos Nobres, dentro do novo espírito educacional, distante do modelo dos Jesuítas.  
1762     · Jean·Jacques Rousseau escreve Emílio e Contrato Social.  
1763   · Mudança da capital do Vice-Reino de Salvador para o Rio de Janeiro.    
1764     · Jean·Jacques Rousseau escreve Devaneios de um Passeante e Confissões.  
1765       · O inglês James Watt aperfeiçoa o motor a vapor que se tornou marco da Revolução Industrial.
1767     · A Espanha expulsa os jesuítas e fecha seus colégios.
· Carlos III lança uma Ordenança Real obrigando todo município espanhol a ter uma escola de primeiras letras, com freqüência obrigatória.
 
1768     · Carlos III dispõe que deveriam ser fundadas escolas para meninas, dando preferência para filhas de lavradores e artesãos.  
1770 · A Reforma Pombalina de Educação substitui o sistema jesuítico e o ensino é dirigido pelos vice·reis nomeados por Portugal.   · L'Abbé de L'Epée funda em Paris a primeira instituição específica para a educação dos surdos.  
1772 · É instituído o "subsídio literário", imposto destinado a manutenção dos ensinos primário e médio.
· É fundada, no Rio de Janeiro, a Academia Científica.
  · É publicada uma Lei que define o modelo e as linhas gerais do ensino português.  
1774     · Basedow funda em Dessau o Instituto Filantropinum e tem início o movimento pedagógico conhecido como filatropismo (philos, "amigo"; anthropos, "homem").  
1776 · É criado no Rio de Janeiro, pelos padres Franciscanos, um curso de estudos literários e teológicos, destinado à formação de sacerdotes.   · L'Abbé de L'Epée publica A Verdadeira Maneira de Instruir os Surdos. · Os Estados Unidos proclamam sua independência.
1777       · D. Maria I, mãe de D. João, assume o trono de Portugal.
· Marquês de Pombal perde todos os poderes.
1778     · Morre Jean·Jacques Rousseau.  
1782     · É criada a Universidade de Havana.  
1784 · É criado no Rio de Janeiro o Gabinete de História Natural.      
1789   · Tiradentes e a Inconfidência Mineira.   · A Queda da Bastilha é o marco da Revolução Francesa.
1791     · É criada a Universidade Quito.  
1797     · É criada em Santiago do Chile a Academia de São Luiz, pelo mestre Dom Manuel de Salas.  
1799     · É criada em Buenos Aires a Escola Náutica, por Manuel Belgrano. · Napoleão Bonaparte dá o Golpe do Dezoito Brumário, e assume o poder na França
· Problemas menatis afastam a Rainha, D. Maria I, assumindo o governo o Príncipe-Regente D. João.
ANO HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO BRASILEIRA HISTÓRIA DO BRASIL HISTÓRIA GERAL DA EDUCAÇÃO HISTÓRIA DO MUNDO
1800 · O bispo Azeredo Coutinho funda o Seminário de Olinda.      
1802 · D. Azeredo Coutinho funda em Pernambuco o Recolhimento de Nossa Senhora da Glória, só para meninas da nascente nobreza e fidalguia brasileira.   · O educador suíço Felipe Manuel Fallenberg, funda a Escola Prática de Agricultura.
 

 
1807     · O educador suíço Felipe Manuel Fallenberg, funda o Instituto Agronômico Superior. · D. Maria I, Rainha de Portugal, seu filho, o Príncipe-Regente D. João, sua nora, a Princesa carlota Joaquina, toda família real e cerca de 15 mil pessoas iniciam a viagem para a colônia brasileira.
· Antes mesmo das naus portuguesas terem desaparecido no horizante, as tropas francesas, comandadas pelo general Junot, ocupam Lisboa.
· D. João deixa instruções para que as tropas francesas sejam bem recebidas em Portugal.



Referência:

PILETTI, Nelson, História da Educação no Brasil. 6. ed. São Paulo: Ática, 1996.


TOPO


Anterior
Jesuítico
1549-1759
HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO
NO BRASIL
(Período Pombalino)
Próximo
Joanino
1808-1821